Últimas Notícias

Brasil conquista três medalhas e garante pelo menos mais duas no 11º dia de Olimpíadas

O 11º dia de Jogos Olímpicos de Tóquio reservou grandes participações para o Brasil. O país conquistou três medalhas (ouro na vela e bronze no boxe e no salto com vara) e a certeza de que terá pelo menos mais duas, uma no futebol masculino e a outra também no boxe.

 

Atletismo

Piu disputou a decisão dos 400m com barreiras no Estádio Olímpico de Tóquio sob forte sol e uma temperatura de 31ºC (sensação de 38ºC) com autoridade. E o resultado foi histórico. Com a marca de 46s72, novo recorde sul-americano, ele levou a medalha de bronze. Foi a primeira medalha brasileira no atletismo nas Olimpíadas de Tóquio e a 18ª da modalidade em todos os tempos – a primeira veio há 69 anos, com o ouro do lendário Adhemar Ferreira da Silva no salto triplo em Helsinque 1952.

A marca feita por Piu é, simplesmente, a quarta mais rápida de todos os tempos, inferior apenas aos tempos dos dois primeiros colocados nesta terça-feira a ao recorde mundial anterior de Warholm (46s70).

Mais uma medalha para o Brasil na manhã desta terça. Ouro na Rio 2016, Thiago Braz foi avançando aos poucos na final do salto com vara, deixou os adversários para trás e ficou com o bronze depois de saltar 5,87.

Jorge Vides, Aldemir Junior e Lucas Vilar não conseguiram a classificação na fase preliminar dos 200m Rasos e foram eliminados.

Após os três saltos, assim terminaram os brasileiros na classificação: Mateus Sá – 20º (16.49m), Almir Santos – 23º (16.27m) e Alexsandro Melo – 26º (15.65m), sem chances de conseguir vagas para as próximas fases do salto triplo.

O brasileiro Thiago André participou da eliminatória da prova dos 1500m Rasos, e terminou na 13ª posição da sua bateria, com o tempo de 3min47s71, ficando de fora da final.

Tiffani Marinho participou da prova e representou o Brasil terminando na 5ª colocação da bateria com o tempo de 52.11s

Candidato ao pódio, Darlan Romani está na decisão do arremesso de peso. O brasileiro atingiu a marca de 21m31 em sua segunda tentativa e garantiu de forma antecipada sua vaga na final da modalidade, que será disputada nesta quarta-feira, às 23h05 (de Brasília).

Os brasileiros Rafael Pereira e Gabriel Constantino garantiram vaga, nesta terça-feira, para a disputa da semifinal dos 110 metros com barreiras nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Eduardo Rodrigues não teve a mesma sorte e acabou eliminado.

As brasileiras Laila Ferrer e Jucilene Lima não conseguiram vaga na final do lançamento de dardo nos Jogos Olímpicos. Nas classificatórias, Laila obteve 59,47m, enquanto Jucilene fez 60,14m, marcas insuficientes para chegar à decisão da competição no Estádio Olímpico de Tóquio. As duas dão adeus à Olimpíada nesta segunda-feira.

 

Vela

Na classe 470 feminina, a dupla brasileira Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan venceu a décima e última regata antes da medal race – elas já tinham vencido também a terceira regata -, onde chega agora na quinta posição geral.

A disputa por medalhas acontece na madrugada de terça para quarta-feira, às 3h33 (de Brasília). As brasileiras têm chances matemáticas de conquistar até de uma medalha de prata, mas numa combinação difícil. O bronze também só vem numa combinação.

Na classe 470 masculina, os brasileiros Henrique Haddad e Bruno Benthlem fecharam a décima e última regata em 14° lugar, na tarde japonesa desta terça-feira. O barco brasileiro termina na 16ª posição geral, e com isso não vai disputar a regata da medalha.

Com uma largada excelente, Martine Grael e Kahena Kunze administraram com tranquilidade a briga com as rivais e conquistaram, nesta terça-feira, na baía de Enoshima, a medalha de ouro na classe 49erFX de vela. Na última regata, elas ficaram em terceiro lugar, mas à frente das adversárias diretas pelo título, as holandesas Annemiek Bekkering e Anette Duetz, e as alemãs Tina Lutz e Susann Beucke. É a 19ª medalha da vela brasileira em Olimpíadas.

A classe Nacra 17 mista definiu seu pódio na tarde japonesa desta terça-feira, e o barco brasileiro composto por Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino fechou a regata na décima e última posição, a mesma posição da classificação geral.

 

Boxe

A peso-leve (até 60kg) brasileira confirmou a “medalha mais garantida” do Time Brasil na madrugada desta terça-feira ao derrotar a uzbeque Raykhona Kodirova por decisão unânime nas quartas de final do boxe olímpico – não há disputa de terceiro lugar na modalidade, e todos os semifinalistas sobem ao pódio.

O carioca Wanderson de Oliveira se esforçou, mas não conseguiu impedir a vitória do cubano por decisão dividida (4-1) nas quartas de final na manhã desta terça-feira.

Depois do bronze de Alison dos Santos no atletismo e da dupla Martine/Kahena na vela durante a madrugada, o Brasil já abriu a manhã com mais uma medalha: a de bronze de Abner Teixeira no boxe. Ele enfrentou o cubano Julio La Cruz na semifinal – portanto já era um medalhista, restava saber qual seria a cor da medalha. Ele foi derrotado e ficou com o terceiro lugar do pódio.

Apesar da eliminação de Wanderson, a seleção brasileira de boxe tem garantido que, na Tóquio 2020, igualará seu melhor desempenho em Olimpíadas. São três medalhas, de Hebert Conceição, Abner Teixeira e Beatriz Ferreira, assim como em Londres 2012, com Adriana Araújo, Esquiva Falcão e Yamaguchi Falcão.

 

Ginástica Artística

No início da manhã desta terça-feira no Brasil, tivemos a final da trave na ginástica artística feminina. A prova marcou o retorno de Simone Biles, que ficou com a medalha de bronze com nota de 14,000 na execução do aparelho. Guan Chenchen e Tang Xijing, ambas atletas da China, foram ouro e prata respectivamente.

A brasileira Flávia Saraiva era nossa esperança de medalha, mas sofreu um desequilíbrio logo no início da apresentação, precisou colocar as mãos na trave para não cair e ficou fora do pódio.

Futebol

Na semifinal do futebol masculino, o Brasil suou para passar pelo México. As seleções empataram sem gols no tempo regulamentar – o lance mais perigoso foi uma cabeçada de Richarlison que parou na trave. Mas, nos pênaltis, os brasileiros converteram todas as cobranças, o goleiro Santos apareceu, e o time de André Jardine se classificou para as semifinais. O Brasil vai em busca do segundo ouro na quinta final da história de jogos olímpicos, com três decisões consecutivas e, agora, total de sete medalhas – um recorde na modalidade masculina.

 

Canoagem Velocidade

Isaquias Queiroz e Jacky Godmann tentaram, mas ficaram fora do pódio no C2 1000 nas Olimpíadas de Tóquio. Os brasileiros cruzaram a linha de chegada em quarto lugar, com 3min27s603. O ouro ficou com a dupla cubana formada por Serguey Torres Madrigal/Fernando Jorge Enriquez, com 3min24s995. Os chineses Hao Liu Pengfei Zheng ficaram com 3min25s198, em segundo lugar, enquanto os alemães Sebastian Brendel e Tim Hecker, com 3min25s615 fecharam o pódio, em terceiro.

 

Vôlei de Praia

Em jogo duro, com alternância de vantagem e muito equilíbrio, Ana Patrícia e Rebeca caíram diante da dupla suíça Verge-Depre/Heidrich pelo Vôlei de Praia, na manhã de terça-feira no Japão. A derrota por 2 sets a 1 (21/19, 18/21, 15/12) pelas quartas de final, deixou nas mãos de Alison e Álvaro a responsabilidade de manter a tradição olímpica de medalhas do Brasil.

 

Luta Olímpica

A lutadora Laís Nunes estrou com derrota na Luta Olímpica. Ela perdeu para a búlgara Taybe Yusein, por 4 a 1. A atleta volta a lutar na repescagem. A próxima adversária é a atleta da Mongólia. As repescagens serão disputadas a partir das 23 horas desta terça, pelo horário brasileiro, com a disputa das medalhas de bronze e do ouro na sequência. Laís Nunes é a única representante do Brasil que restou na disputa das lutas olímpicas, após as eliminações de Aline Silva na luta livre e de Eduard Soghomonyan na greco-romana.

 

Vôlei

O Brasil está na semifinal do vôlei masculino dos Jogos Olímpicos de Tóquio.A vaga foi conquistada na madrugada desta terça com uma vitória por 3 sets a 0 (parciais de 25/20, 25/22 e 25/20) sobre o Japão. O adversário na semi será o Comitê Olímpico Russo, que bateu o Canadá por 3 a 0 mais cedo. O duelo será na quinta-feira com horário a definir.

 

Confira o quadro de medalhas

 

Arte/ESF

 

Fonte: ge.globo, ig e uol.