Automobilismo

Fórmula 1: Lewis Hamilton abre o coração e declara não se sentir uma lenda na categoria: “Estou muito envolvido”

Em entrevista a Sky Itália, o piloto britânico Lewis Hamilton disse não se sentir como uma lenda da Fórmula 1.

“Não me sinto uma lenda da F1. Ainda me sinto muito envolvido na categoria.”

O piloto da Mercedes se tornou o primeiro a alcançar a marca de 100 vitórias em GPs com a conquista na Rússia, e tem como objetivo quebrar o recorde de títulos Mundiais de Michael Schumacher. Lewis busca o oitavo título nesta temporada.

+ Veja a classificação completa da Fórmula 1

Por mais que seja um ícone na F1, para Hamilton, sucesso é um detalhe em sua vida e o costume de ser um dos melhores piloto da categoria não tirou a ideia de não se acostumar a ser uma lenda.

“Tento ser o melhor todos os finais de semana. Nunca é fácil. Tento sempre melhorar e ser criativo com o ajuste do carro em todas as corridas, em todos os momentos”, disse ele.

Questionado se tinha sonhos e metas, apesar de seu sucesso brilhante, Hamilton respondeu: “claro, certamente tenho. Vvocê nunca deve parar de sonhar, certo? Todo ano eu faço uma lista das coisas que quero alcançar, talvez eu tenha tentado dez e conseguido duas. Ou apenas uma!”, brinca.

“Portanto, algumas coisas acabam na lista do próximo ano, mas o sonho é praticamente o mesmo todos os anos”, acrescentou.

Sempre muito notável na pista com o seu desempenho, o piloto ganhou apoio e aptidão por seus esforços fora da pista, visando aumentar a diversidade no paddock da F1, em debates mais gerais na sociedade , como as mudanças climáticas.

“O sonho que me move este ano é tornar esse esporte mais aberto, mais inclusivo, um novo caminho dedicado a engenheiros e outras pessoas que , de outra forma, nem sonhariam em fazer parte disso. Gostaria que todas as equipes participassem. Vivemos em um mundo onde muitas pessoas não sabem o que esta acontecendo e outras pensam que se algo não é da sua conta, você não precisa fazer nada”, disse o piloto.

“Vivemos em um mundo onde é importante fazer, ouvir a sua voz. É uma loucura ouvir certas noticias , como a restrição do direito da mulher ao aborto nos Estados Unidos, é uma loucura não é?E mesmo que como homem, isso não me diz respeito diretamente, é justo falar sobre isso. É justo dar apoio fazer parte de uma geração que luta pela mudança. Isso pode ser feito para qualquer assunto, como mudanças climáticas e direitos humanos”, completou.

Foto destacada: Yuri Kochetkov – Pool/Getty Images

Veja mais notícias do Esporte sem Fronteira