Basquete

Seleção feminina é convocada para a Copa América de basquete 3×3

Nesta terça (05), a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) utilizou seu site e as suas redes sociais para divulgar que a técnica Rafaela Bauerfeldt convocou as jogadoras que vão representar a seleção brasileira feminina na Copa América de Basquete 3×3, marcada para acontecer entre os dias 12 e 14 de novembro na cidade de Miami, nos Estados Unidos.  

No total, oito atletas foram convocadas para representar a seleção verde e amarela, são elas: a armadora Lays da Silva (ouro no Pan de Lima 2019), as alas/pivôs Vitória Marcelino, Vanessa Gonçalves e Evelyn Larissa e as alas Rayane Sant’Anna, Mayara Cristina, Laís Moura e Thayná Silva, a última foi eleita MVP na temporada mais recente da LBF e bronze com a seleção 5×5 na Copa América 2021, também conhecida como AmeriCup 2021.

Antes do embarque para a terra do Tio Sam, irá ocorrer uma apresentação e testes de Covid-19 no dia 4 de novembro, na mesma data estão marcados para iniciarem os treinos que vão até o dia 10 de novembro, no Clube dos Subtenentes e Sargentos do Exército, localizado na cidade do Rio de Janeiro. Das oito convocadas, apenas quatro viajarão para disputar o torneio.

Imagem com os nomes das convocadas, da treinadora e pelos demais membros do “staff” da seleção. Foto: Reprodução/CBB.

É a primeira vez que a FIBA (Federação Internacional de Basquete) organiza  uma edição da Copa América 3×3, o evento também é importante para a cidade estadunidense, uma vez que é a primeira vez depois de nove anos que Miami sedia um torneio de basquete, o último foi a edição de 2012 do 3×3 World Tour, competição disputada em formato de turnê onde equipes 3×3 representam diferentes cidades do mundo.

Com o passar dos anos, o basquete 3×3 vem conquistando cada vez mais espaço, após ter feito parte dos Jogos Olímpicos da Juventude de 2010, em Cingapura, também conta com a sua própria Copa do Mundo e foi adicionada aos jogos olímpicos em 2017, o que contribui para a edição das olimpíadas de Tóquio se tornar a primeira com a mais nova modalidade.

Veja mais notícias do Esporte sem Fronteira