E-sports

Terceira mulher brasileira a chegar na divisão elite do Fifa 22, Carol afirma: “Sensação de conquista e reconhecimento” “

A pro player da Netshoes Miners, Carol Docha, é uma garota esforçada, que, com muita dedicação, vem se destacando no cenário de Fifa, se tornando a terceira mulher brasileira a ingressar na elite do game e vem mostrando o crescimento feminino no cenário do Fifa.

Desde criança gostei de futebol, sempre assistia toda tarde de domingo as partidas com meu avô, e nesses finais de semana na casa dele, sempre sobrava tempo para jogar vídeo game com meus primos. Foi daí que surgiram as duas paixões: futebol e vídeo game. Quando conheci o FIFA, pude juntar as duas paixões em um só lugar, desde então se tornou meu jogo favorito. Comecei a jogar casualmente e a partir do FIFA 19 jogava em live, foi então que daí surgiu o interesse em tornar meu hobby em profissão.  Me dediquei nas lives e no jogo, foi quando surgiu a primeira oportunidade de equipe para o FIFA, e partir do fifa 20 me tornei profissional e hoje posso me considerar uma pro player de FIFA que representa a Netshoes Miners.



Quão a sensação de chegar aonde chegou?

Sensação de conquista e reconhecimento.  Pois não cheguei de uma hora para outra, foram tempos me dedicando e trabalhando.

Qual a importância do trabalho em equipe no seu sucesso?

Completamente importante, não iremos em lugar algum sozinhos, sempre tive ajuda dos meus parceiros de equipe, comunidade e família!

Já sofreu algum preconceito?

Infelizmente sim, principalmente no mundo virtual, já sofri ataques de hater’s na minha live, e frequentemente recebo mensagens na psn por conta do FIFA, entre elas mensagens racistas e preconceituosas por ser do gênero feminino.

Existe algum jogo marcante que fez a diferença?

Sim, o jogo mais marcante pra mim, foi o jogo decisivo para pegar OURO 1 na WL no FIFA 21, foi um jogo de muita superação, concentração e dedicação. Quando veio a vitória, eu só sabia chorar e comemorar.

Qual conselho você daria para as meninas que estão começando?

Eu diria para não desistirem, não terem medo de fazer parte de um espaço que já é nosso. E principalmente, lembrar sempre que o que preconceituosos, machistas etc. dizem não nos definem e que somos capazes e livres para fazer e estar onde quisermos. E que podem contar comigo no que precisar!

Como relaciona o game com a vida pessoal? 

Bom, eu procuro me organizar, tenho uma agenda com horários, de treinos, lives, jogar e tempo off.   Confesso que é um desafio, me esforço diariamente para cumprir com o planejamento.  Como tenho alguns problemas de saúde, como ansiedade e depressão, muitas vezes não consigo seguir corretamente o planejado, porém sempre respeito meus limites e me respeito. Mas, procuro sempre me manter organizada para que eu consiga ter minha vida fora do FIFA.

Como levar a representatividade de uma camisa tão forte no cenário?

Eu levo muito a sério, e de fato eu visto a camisa, a Netshoes Miners é uma ótima equipe, onde tem uma estrutura incrível, me sinto privilegiada por fazer parte, então procuro sempre me dedicar ao máximo e dar o meu melhor para esta camisa. Além disso, não é só apenas uma equipe de FIFA para mim, e sim uma nova família.

Veja mais notícias do Esporte sem Fronteira

Categorias:E-sports, Outros esportes

Marcado como: