Últimas Notícias

Australian Open: Djokovic tem seu visto cancelado pela segunda vez há 3 dias do inicio do torneio

Nesta sexta-feira (14), 1 dia após o sorteio das chaves do primeiro Grand Slam do ano, Novak Djokovic, primeiro do ranking e um dos favoritos ao torneio, teve seu visto cancelado pelo ministro da Imigração australiana, Alex Hawke. Alem do visto cancelado, o ministro trabalha para que o sérvio seja deportado o quanto antes do país.

“Hoje exerci meu poder sob a seção 133C(3) da Lei de Migração para cancelar o visto detido pelo Sr. Novak Djokovic por motivos de saúde e ordem, com base no interesse público de fazê-lo. Esta decisão seguiu ordens do Tribunal Federal em 10 de janeiro de 2022, anulando uma decisão de cancelamento anterior por motivos de equidade processual”

Alex Hawke – Ministro da Imigração

Os advogados do tenista e autoridades do país de origem buscam alguma solução junto ao governo australiano. No momento o sérvio não deverá ser detido e isolado como na primeira vez que tentou entrar no país. Os advogados buscam uma liminar para que Nole permaneça no país e consiga jogar a primeira rodada do torneio. Caso isso não ocorra, o jogador deverá ser deportado imediatamente do país. Outro fator importante é que se o jogador for realmente deportado, corre o risco de ficar até 3 anos sem autorização para ter o visto de entrada na Austrália, embora, segundo a imprensa australiana, essa medida pode ser dispensada.

Um dos advogados de Novak Djokovic, Nicholas Wood, se manifestou pedindo apelo para que o sérvio seja liberado.

O Sr. Hawke escolheu remover da Austrália um homem de boa reputação e prejudicar sua carreira por causa dos comentários que Djokovic fez em 2020. Ele não tem base racional para dizer que a decisão que toma é para evitar maior sentimento antivacina, que ele está tentando minimizar. É patentemente irracional que Djokovic excite o sentimento antivacinação. É uma abordagem radicalmente nova do governo federal.

Nicholas Wood – Advogado de Djokovic

Os advogados de defesa do Nole afirmam que ele não fez campanha contra a vacina, apesar de ter se posicionado publicamente contra a obrigatoriedade da vacina. Neste caso, a autorização é um pre requisito para a participação no torneio, mas o tenista conseguiu uma autorização de exceção médica concedida pelos organizadores do torneio.

O tenista deve ser interrogado pelas autoridades australianas neste sábado (15), uma vez que uma audiência foi marcada para o Domingo (16) na Corte Federal da Austrália.

A princípio, a estreia de Djoko está marcada para o dia 16/01, no mesmo domingo da audiência, contra seu compatriota Miomir Kecmanovic.

Veja mais notícias do Esporte sem Fronteira