Europa

Real Madrid elimina Chelsea e chega às semifinais da Liga dos Campeões

Muitos pensaram que a vitória conquistada pelo Real Madrid no primeiro jogo contra o Chelsea (3 a 1), no Stamford Brigdge, na última quarta feira, teria sido suficiente para classificar a equipe espanhola às semifinais da Liga dos Campeões. Ledo engano !

Nunca se deve menosprezar o Chelsea,atual campeão da Liga e Mundial, que tem mostrado muita valentia e se impõe diante de qualquer tipo de adversário à sua frente. O primeiro jogo foi marcado por erros grotescos de seus jogadores. O terceiro gol envolvendo Mendy e Rudiger, foi um exemplo disso.

Sabendo do potencial dos seus jogadores, Thomas Tuchel não digeriu a derrota da primeira partida. Disse assim: ““Eu assisti [ao jogo] quando cheguei em casa e no meio da noite. Na manhã seguinte, assisti aqui [em Cobham] e fiquei com raiva de novo. Eu sentei lá no meio da noite e a quantidade de chocolate que eu precisava era imensa para que eu pudesse passar pela partida novamente. Não foi legal”.

Não se viu a palestra do treinador no vestiário antes dos jogadores entrarem  em campo, repletos de torcedores merengues no Santiago Bernabeu. A força, o ímpeto e a determinação demonstrada pelo jogadores do Chelsea em campo, nessa terça feira, deve ter sido influenciada,diretamente, pelo inconformismo do placar adverso e pela forma inoperante da equipe frente ao Real Madrid em casa.

O Chelsea começou o jogo e não se via o peso da derrota do primeiro confronto. Pressionava o Real Madrid, retomava a posse de bola e a todo instante, rondava a área adversária, assim como um predador visualiza a sua presa. Aos 11 e 12 minutos, duas chances do time inglês para abrir o placar.

Aos 14 minutos, Mason Mount inaugurava o marcador. Lançado por Timo Werner na entrada da área, não perdeu tempo em chutar no canto esquerdo de Curtois. 1 a 0 com menos de 15 minutos, era tudo que o Chelsea queria. Seu torcedor saia das dúvidas à certeza em questão de poucos minutos.

Vini Jr., Benzema pelo Real Madrid e Rudiger, pelo Chelsea, tentaram chegar ao gol mas não tiveram êxito. O primeiro tempo terminou 1 a 0 para o time inglês. O segundo tempo prometia muitas emoções. E elas aconteceram.

Cinco minutos do segundo tempo e Rudiger se redime do erro cometido no primeiro jogo. Sua cabeçada no canto esquerdo de Curtois, era o 2 a 0 e já se vislumbrava a prorrogação ao atual campeão da Europa, caso terminasse com esse placar. As emoções só aumentavam.

Benzema e Tony Kroos quase diminuíram para o time do Real Madrid. Aos 16 minutos, Alonso, lateral esquerdo do Chelsea faz o terceiro gol. O VAR chamou o árbitro sobre possível toque na mão do jogador do time inglês, se beneficiando do lance. Gol anulado. Quem pensou que o time inglês iria desanimar, enganou-se. Aos 30 minutos, um banho gelado coletivo aos torcedores merengues. Timo Werner recebe a bola dentro da área, dribla Casemiro e Alaba e chuta para fazer o terceiro gol. Um golaço e aconteceu o inverso à partir dali.

O Real Madrid não se conformou em tomar o terceiro gol, sendo o suficiente à sua eliminação. E o Chelsea não se concentrou mais depois dali e não conseguiu garantir sua histórica classificação.  As entradas de Rodrygo e Marcelo nos lugares de Casimiro e Mendy, respectivamente, sem dúvida alguma, mudaram o cenário.

Aos 32 Curtois espalma e evita o desastre por completo. Aos 34 minutos, o Bernabeu veio abaixo. Marcelo toca para Modric que lança magistralmente ao atacante Rodrygo, na área do Chelsea. De primeira e sem chances de defesa para Mendy, Rodrygo faz o gol salvador ao time do Real Madrid no tempo normal.

Pulisic, que havia entrado no lugar de Timo Werner, perdeu duas oportunidades aos 46 e 48 minutos do segundo tempo. A classificação direta ao Chelsea, às semifinais, perdeu-se ali.
Prorrogação à vista.

Quando se tem Benzema, não se pode descuidar de forma alguma. Assim como aconteceu no jogo de ida, na indecisão de Mendy e Rudiger resultando no terceiro gol do Real Madrid, o raio caiu no mesmo lugar mas somente ao zagueiro.

Aos 05 minutos, o meio campo do Chelsea perde a bola na intermediária. Vini Jr. invade a área, olha para Benzema e, com sutileza, joga na cabeça do atacante francês, que cabeceia no canto direito, sem defesa para Mendy. Rudiger escorregou no lance e deixou o atacante livre no lance.Era a classificação do Real Madrid. Foi um balde de água fria no time inglês. O primeiro tempo da prorrogação terminou assim.

Os quinze minutos finais foram de muita adrelina. Curtois defendeu um chute de Ziyech aos oito minutos. Havertz perdeu gol feito três minutos depois. E terminou assim as chances do Chelsea pelo seu bicampeonato da Liga dos Campeões, mesmo jogando melhor os dois jogos contra o Real Madrid.

Das últimas 12 edições, o time espanhol chegou em 10 semifinais. Sua camisa pesa muito nas decisões. É o maior ganhador da Liga dos Campões: 13 títulos. E agora espera o ganhador do confronto entre Atlético de Madri e Manchester City hoje. Os torcedores merengues não disfarçam sua torcida pelo rival da capital da Espanha somente nessa partida. Não querem enfrentar os súditos de Pep Guardiola, de jeito nenhum.

Foto: (EFE/Sergio Pérez)